A Cidade de Santa Rosa de Lima

Fundado em 10 de maio de 1962, o município de Santa Rosa de Lima deve boa parte de sua história aos colonizadores alemães e imigrantes italianos que, no início do século, foram trazidos a Santa Catarina para proteger os carregamentos de “charque”(carne de sol) vindos do Rio Grande do Sul em direção a São Paulo. A presença de índios das tribos Botocatus e Aweikomas na chamada “rota do charque” dificultava o avanço das caravanas e impedia que a carne de sol, trazida do extremo sul do Brasil no lombo de mulas, chegasse ao seu destino.

Para solucionar o problema, os governos da época decidiram doar terras aos imigrantes, gerando desta forma sérios conflitos entre índios e colonos, que acabaram por dizimar todos os índios da região.

O município apresenta traços marcantes das danças, costumes e comidas típicas herdados dos primeiros colonizadores, com destaque para a famosa festa do “Gemüse”, nome de um prato típico alemão feito à base de batata, couve e carne de porco, que é realizada em Santa Rosa de Lima no mês de Maio, de dois em dois anos.

 

 

Nos últimos anos, Santa Rosa de Lima também tem se destacado no turismo rural e de aventura e na produção de alimentos orgânicos. O município é sede de duas importantes entidades que atuam nestes setores: a Agreco (Associação de Agricultores Ecológicos das Encostas da Serra Geral) e a Acolhida na Colônia, associação que agrega propriedades rurais da região e as prepara para receber turistas em busca de tranquilidade e da gastronomia colonial.

A produção de mel de melíponas, as abelhas silvestres sem ferrão, também tem destaque através da Amesg (Associação de Meliponicultores das Encostas da Serra Geral).

Por conta deste destaque, Santa Rosa de Lima detém o título de Capital Catarinense da Agroecologia.

 

(fonte: Prefeitura de Santa Rosa de Lima)